11 erros financeiros que as pessoas cometem e precisam parar agora mesmo

Atenção! A Provu não solicita depósito antecipado ou PIX para a liberação do empréstimo. Isso é crime.

11 erros financeiros que as pessoas cometem e precisam parar agora mesmo

Por Provu

7 Minutos

Publicado em 31 jan, 2018

Atualizado em 31 jan, 2018

7 min de leitura

Link Copiado!

Já parou para pensar o que está lhe impedindo de ter reservas de dinheiro para realizar sonhos, para os momentos de emergência e para a sua aposentadoria? Pois é bem provável que você esteja cometendo algum destes erros financeiros que são muito comuns, mas que levam seu dinheiro para longe.

Os erros financeiros que você precisa abandonar

Listamos hoje 11 erros financeiros, mas com certeza eles não são os únicos. Fique sempre alerta ao seu comportamento em relação ao dinheiro e trace suas metas.

1º – Não ter controle de suas finanças

Não é difícil encontrar alguém, principalmente no início da vida adulta, que esteja perdido sobre suas finanças. São contas para pagar, taxas desconhecidas e um universo de opções financeiras que podem parecer tentadoras a princípio, mas que acabam lhe levando para as dívidas.

Ter controle de suas finanças é essencial se você busca fugir de dívidas e fazer seu dinheiro se multiplicar. Se você ainda não tomou as rédeas da situação, é hora de parar e dar a devida atenção a isso.

2º – Não saber qual seu salário e sua renda

Quanto você ganha por mês? Qual seu salário? Independentemente de você ser um profissional com carteira assinada ou mesmo um empresário, é preciso diferenciar as coisas e considerar como renda somente aquilo que realmente entra em sua conta bancária após o desconto dos impostos e benefícios. Ou seja, se seu salário é de R$ 4000, mas no final do mês você recebe R$ 3500, não dá para planejar suas compras desconsiderando os descontos que você já tem na folha de pagamento.

Saber quanto você tem de renda líquida é mais importante do que saber o seu salário bruto. Lembre-se sempre disso.

3º – Não assumir que tem dívidas

Fingir que um problema não existe não faz com que ele desapareça ou diminua de tamanho. Aliás, o contrário pode acontecer. Se você ignora suas dívidas, elas podem dobrar de tamanho e colocá-lo em uma situação delicada, levando até mesmo à negativação do CPF. Por isso, é melhor aceitar e se propor a resolver o problema.

4º – Não poupar

Você gasta todo o dinheiro que ganha? Se a resposta for sim, aqui está mais um erro que precisa deixar de ser cometido agora mesmo.

Quando você gasta toda sua renda mensal, deixa de se preparar para os gastos sazonais (impostos, festas de final de ano, férias, etc), e acaba se enrolando em dívidas. Na hora de fazer seu planejamento de gastos é necessário considerar todos os gastos existentes no decorrer do ano e dissolvê-los entre os 12 meses existentes. Isso lhe ajudará a ter o dinheiro necessário para arcar com todos os seus custos, sem precisar recorrer ao cheque especial ou ao cartão de crédito, por exemplo.

5º – Não saber o preço das coisas e quanto elas valem

Na hora de fazer as compras do mês você não tem ideia do quanto cada coisa vale ou qual o preço praticado pelo mercado? Pois é hora de começar a se reeducar e investir um tempo em conhecer o valor das coisas.

Quando você vai a uma loja tendo ideia do valor de algo, faz escolhas mais inteligentes e usa seu dinheiro melhor. Isso o ajuda a economizar e comprar com base em dados, e não apenas por impulso. Além disso, evita que você seja enganado por ‘super promoções’ anunciadas por aí.

6º – Esquecer de pagar as contas

Colocar as contas no débito automático é uma boa solução se você tem dificuldade de lembrar de pagá-las. Isso ajudará muito a economizar, afinal, a cada esquecimento acarreta em uma multa e mais um percentual de juros que você terá que pagar.

7º – Entrar nos juros do cheque especial e do rotativo

Os juros do cheque especial e do cartão de crédito ainda ultrapassam 300% ao ano. Isso significa que ao usar este tipo de crédito, o consumidor acaba se enrolando em uma dívida muito cara. Esta é uma escolha ruim e é preciso fugir dela.

Agora, se você já está nessa situação e precisa resolver isso, a melhor alternativa é buscar soluções de empréstimo pessoal, que têm taxas muito mais baixas. Se você for funcionário público ou pensionista, pode também procurar por linhas de crédito consignado, que costumam ter juros baixos, gerando um custo muito menor do que o do cheque especial ou do cartão.

8º – Não saber o que é uma boa taxa

Você conhece as taxas de juros e CET (Custo Efetivo Total) praticadas pelo seu banco para empréstimos, cheque especial, financiamentos, e outras linhas de crédito? Pois conhecendo este valor fica muito mais fácil você fazer pesquisas no mercado e encontrar opções que realmente tragam uma boa taxa para você.

Compare sempre, tanto com outros tipos de crédito quanto com as mesmas condições em diferentes instituições. Além disso, volte sua atenção para o CET, pois ele considera todas as taxas envolvidas na operação de crédito.

9º – Achar que o limite do cartão de crédito é parte de sua renda

O cartão de crédito pode ser usado como aliado para a antecipação de sonhos e necessidades, mas é muito importante ter cuidado para não passar a usar este limite de crédito disponível como parte de sua renda.

Este tipo de erro é muito grave e pode colocá-lo em apuros. Nunca gaste mais no cartão de crédito do que aquilo que pode pagar. Faça o acompanhamento da sua fatura e delimite o seu próprio limite de crédito.

Fique também alerta ao tamanho da dívida em compras parceladas e considere quais são suas possibilidades de pagamento caso perca o emprego ou tenha algum imprevisto no caminho. Lembre-se sempre que os juros do cartão são muito altos e podem acabar com sua saúde financeira.

10º – Gastar mais do que ganha

Todo mundo já passou por um mês em que acabou gastando demais, mas essa não pode ser uma prática corriqueira e mesmo que lhe aconteça pela primeira vez, merece muita atenção. É preciso ter muita disciplina com seu dinheiro e saber quais são suas possibilidades. Seu estilo de vida precisa ser coerente com sua situação financeira.

11º – Achar que finanças é um assunto chato

Quando não entendemos de um assunto é muito fácil sermos enganados ou ficarmos à mercê da opinião e das escolhas dos outros. Tire de sua frente qualquer impressão de que finanças é um tema chato e isso lhe ajudará a entender melhor e se relacionar melhor com seu dinheiro.

É hora de parar de achar que não precisa entender de números. Quando mais você procura aprender, mais você consegue usá-lo de modo inteligente e que lhe traga benefícios. Esqueça os seus preconceitos com a matemática e invista em entender de contas e conceitos que são importantes para fazer seu patrimônio crescer.

E uma dica extra: use a tecnologia a seu favor. Existem muitos aplicativos que lhe ajudam a organizar suas finanças e entender onde está desperdiçando dinheiro. Use estas ferramentas para economizar e começar a realizar os seus sonhos.

SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Escrito por: Provu

Sem comentários ...

Fazer um comentário:

Conteúdos relacionados
Educação Financeira
Teste: como está sua saúde financeira?

A equipe da Provu preparou um teste para você saber como anda sua saúde financeira e se você precisa p...

27 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Previdência Social: entenda o que é e como funciona

Você já deve ter ouvido idosos falar sobre previdência social. Mas afinal, do que se trata este termo ...

21 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Renda extra: o que é e como ganhar em 2022?

Renda extra é o assunto do momento, e nada melhor do que começar o ano ganhando mais dinheiro, não é m...

14 abr, 2022
Ler artigo
s

A provu.com.br pertence à PROVU, CNPJ: 20.265.259/0001-71, com sede na Rua Pais Leme, 524 – Pinheiros, São Paulo – SP, Brasil – CEP: 05424-010.

 

A Provu não é uma instituição financeira, mas sim um prestador de serviços correspondente bancário nos termos do artigo 2º, da Resolução CMN nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011 atuando para as instituições financeiras: SOROCRED CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A – CNPJ: 04.814.563/0001-74 e PROVU SOCIEDADE DE CRÉDITO DIRETO S.A – CNPJ Nº 42.627.615/0001-92.

 

Informações gerais sobre as operações de crédito ofertadas: a taxa de juros para empréstimo pessoal varia de 1,99% a 10,95% ao mês. O CET (Custo Efetivo Total) pode variar de 2,39% a.m. (32,77% a.a.) a 11,17% a.m. (256,33% a.a.), dependendo da análise de crédito do cliente e do prazo de pagamento, que pode ser de 12,18, 24, 30 ou 36 meses.

 

Exemplo: valor: R$ 9.000,00; prazo: 18 meses; taxa de juros: 3,52% a.m.; 51,52% a.a.; CET 58,35% a.a.; parcelas: R$ 702,09; IOF: R$ 242,13; valor total: R$ 12.637,62. Estes valores são exemplificativos e poderão variar de acordo com a política de crédito.