Atenção! A Provu não solicita pagamento antecipado para a liberação do Provu Empréstimo Pessoal.

Aplicações financeiras: o que são e quais os tipos para investir?

Publicado em 22 fev, 2023

Atualizado em 18 abr, 2023

1 min de leitura

Link Copiado!

Para quem está pensando em começar a investir, provavelmente já deve ter se deparado com os termos renda fixa e renda variável, certo?

Mas se você está em dúvida de quais tipos de aplicações financeiras são mais adequadas para o seu perfil investidor, é preciso saber como avaliar os riscos e a rentabilidade de cada modalidade.

Por exemplo, você já deve ter ouvido falar que o tesouro direto é uma escolha muito boa para quem busca um investimento seguro. Mas, se você quer realmente mirar nos rendimentos, é melhor investir em ações e fundos multimercado.

Vamos explicar como funcionam as aplicações financeiras para ajudar você a tomar o próximo passo no seu investimento.

Vamos lá!

O que são aplicações financeiras?

Começando pelo primeiro termo: aplicações financeiras podem ser definidas como ativos que estão disponíveis no mercado com o objetivo principal de gerar retorno financeiro ao seu detentor ao longo do tempo.

O retorno dessas aplicações nem sempre é 100% seguro, porque ainda estão sujeitas a riscos de crédito, mercado, liquidez, entre outros.

Como você já deve estar imaginando, existem vários tipos de aplicações financeiras e, consequentemente, algumas são mais arriscadas que outras. No entanto, quanto maior o risco, maior pode ser o retorno.

Tipos de aplicações financeiras

Para explicar melhor os tipos de aplicações financeiras, vamos mostrar as principais aplicações disponíveis no mercado. Dá uma olhada:

Aplicações financeiras de renda fixa

Os investimentos em renda fixa, como o nome sugere, são aqueles cuja rentabilidade é definida previamente, no momento da aplicação.

Esse tipo de investimento pode seguir uma taxa prefixada de rendimento ou acompanhar índices econômicos como o IPCA e a taxa Selic, por exemplo.

Com isso, você já fica sabendo da rentabilidade que vai alcançar em determinado momento. É por isso que investimentos em renda fixa oferecem maior segurança.

Confira alguns exemplos de aplicações em renda fixa:

Tesouro Direto

O tesouro direto, que você já deve ter ouvido falar, é o programa de venda de títulos públicos do Tesouro para pessoas físicas, com o objetivo de arrecadar dinheiro e financiar as contas da União.

Essa modalidade é classificada como renda fixa porque, quando você investe, você já tem a definição da taxa de remuneração. A rentabilidade pode ser fixada ou atrelada à Selic ou ao IPCA.

Uma das maiores vantagens da modalidade é a possibilidade de investir a partir de R$ 30, além da segurança - a mais segura do mercado.

Quer saber mais? Nós temos um conteúdo exclusivo sobre o Tesouro Direto aqui no Blog da Provu.

CRI e CRA

O CRI é o Certificado de Recebíveis Imobiliários, e o CRA significa Certificado de Recebíveis do Agronegócio.

Quando você investe nessas modalidades, apesar de ser um investimento de renda fixa, elas não possuem garantia.

Sendo assim, se estiver pensando em investir, estude o seu perfil de risco para saber se é uma boa oportunidade ou arriscado para a sua saúde financeira.

Debêntures

As debêntures são títulos de dívidas emitidos por uma empresa que quer captar recursos no mercado de capitais.

Ou seja, as debêntures são uma forma de financiamento porque, ao emitir o título, a empresa recebe os recursos de investidores interessados em suas aplicações.

Por outro lado, para os investidores, as debêntures são um mecanismo de remuneração de capital. Quando você adquire um desses títulos, você entrega o seu dinheiro a uma determinada empresa com a expectativa de receber, no futuro, uma remuneração por isso.

CDBs

O CDB, ou Certificado de Depósito Bancário é um título privado de renda fixa, claramente emitido por bancos. Na prática, você, como investidor, empresta dinheiro para as instituições financeiras e resgata os valores acrescidos de juros.

A taxa de rentabilidade pode seguir três modelos:

  • Prefixado: taxa de juros definida no momento da aplicação
  • Pós-fixado: rentabilidade tem percentual atrelado a um índice econômico, geralmente o CDI (Certificado de Depósito Interbancário)
  • Híbrido: combinação de rentabilidade fixa com uma pós-fixada

Ainda, os CDBs são considerados investimentos seguros porque contam com o Fundo Garantidor de Créditos (FGC), um mecanismo de proteção que ressarce em até R$ 250 mil - limite por CPF e por conglomerado financeiro.

LCI/LCA

Esses são títulos privados emitidos por instituições financeiras e destinados ao financiamento de setores estratégicos da economia:

  • A LCI (Letra de Crédito Imobiliário) financia as atividades do setor imobiliário
  • A LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) financia atividades do agronegócio

Essa modalidade também conta com a garantia do FGC, com taxas de rendimento prefixadas, pós-fixadas ou híbridas.

A rentabilidade pode variar de acordo com os papéis que você adquirir, e pessoas físicas têm isenção de Imposto de Renda.

Saiba mais sobre LCI e LCA aqui!

Aplicações financeiras de renda variável

Se você pode correr riscos financeiros, a renda variável é um caminho legal para conseguir obter rendimentos mais elevados.

Conheça três opções de renda variável:

Ações

As ações são papéis negociados na Bolsa de Valores que representam frações do valor de uma empresa de capital aberto. Com isso, ao comprar uma ação, você se torna um acionista.

Nessa modalidade, a rentabilidade varia de acordo com o desempenho da organização e a sua percepção de valor.

Por isso, você não consegue prever a rentabilidade. Você precisa confiar nos números do mercado, podendo ganhar dinheiro de acordo com a performance da empresa.

Apesar do risco elevado, os lucros tendem a ser bem maiores que os de renda fixa.

Fundos de ações

Os fundos de ações reúnem dinheiro de diversos investidores em ações e ativos de renda variável negociados na Bolsa de Valores.

Nesse caso, a alocação dos recursos acontece por um gestor profissional, que monta a estratégia e acompanha números do mercado.

ETF ou Exchange-Traded Fund

O ETF (sigla para o termo em inglês Exchange-Traded Fund ) é um tipo de investimento negociado na bolsa e que é formado por vários ativos, com o objetivo de ter uma performance parecida a um determinado índice.

Um exemplo disso é o BOVA11, que “imita” o Ibovespa.

Fundos multimercado

Esse tipo de investimento utiliza estratégias mais versáteis, com diferentes classes de ativos em uma única carteira.

Nesse caso, você pode combinar uma estratégia em renda fixa e renda variável ao mesmo tempo, ganhando mais flexibilidade.

Por que é importante saber as diferenças entre as aplicações financeiras?

Como você pôde perceber, as diferenças entre as aplicações financeiras variam de acordo com o seu tipo de investimento, então você precisa ao menos ter uma noção de qual aplicação faz mais sentido para você, concorda?

Por exemplo, se você está começando a entrar no mundo dos investimentos agora, é melhor investir em aplicações de renda fixa.

Mas se você pode correr mais riscos, a renda variável pode te proporcionar mais lucros.

Conclusão

Investir é uma opção muito boa para garantir uma segurança financeira maior. Seja para a sua vida pessoal, ou para a sua empresa.

Agora, caso você tenha pensado em considerar um empréstimo pessoal como investimento, é importante dar uma olhada nesse conteúdo. A gente conta melhor o que considerar antes de tomar uma decisão.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Conta pra gente!

Escrito por: Pri da Provu

Meu nome é PRI, e eu sou a nova assistente virtual da Provu! Aqui no blog da Provu e nas nossas redes sociais eu vou falar dos mais variados assuntos, e através do WhatsApp, Chat do site e telefone da Provu, eu vou: 👉 Ajudar a baixar o boleto das parcelas do Provu Empréstimo e Provu Boleto Parcelado 👉 Dar suporte no refinanciamento do seu contrato do Provu Empréstimo 👉 Esclarecer tudo que você precisa saber sobre o Provu Empréstimo e Provu Boleto Parcelado 👉 Dar suporte em negociações; E muito mais! Quer me conhecer mais? Acesse o Blog da Provu. E se quiser bater um papo comigo, é só acessar nosso WhatsApp, chat do site ou telefone!

Comentários (3)
Usuário
Maria da ConceicaoFerraz de Souza
26/02/2023

Quero abrir minha empresa

Responder
Usuário
Atendimento Provu
03/03/2023

Boa tarde, Maria. Tudo bem? Ficamos felizes em saber que você tem interesse em nossos serviços. Nosso empréstimo é sem garantia, ou seja, não pedimos seus bens como garantia. Atendemos funcionários com carteira assinada (CLT), profissionais autônomos, funcionários públicos, pensionistas e aposentados. Fazer uma proposta de empréstimo com a gente, independente do valor que você deseja, é bem fácil! Basta acessar o nosso site: https://emprestimo.provu.com.br/cadastro e preencher o seu cadastro, após o resultado da sua pré-análise, você vai ficar sabendo se temos uma linha de crédito disponível para você. É importante preencher as informações corretamente! Se você tiver alguma dúvida, pode nos chamar! Estamos à disposição. :)

Usuário
Maria
26/02/2023

Gostaria de trabalhar com artesanato

Fazer um comentário:

Prove realizar organização financeira!

Insira seu e-mail para receber as melhores dicas para o seu bolso:

Associações

abcd-logo

Prêmios

premio-cliente-sapremio-ra-1000

Selos

selo-empresa-neutra-de-carbono

Parceiros de Cobrança

kitei-logomhFlores-logoserasa-logo

A provu.com.br pertence à PROVU, CNPJ: 20.265.259/0001-71, com sede na Rua Pais Leme, 524 – Pinheiros, São Paulo – SP, Brasil – CEP: 05424-010.

A Provu não é uma instituição financeira, mas sim um prestador de serviços correspondente bancário nos termos do artigo 2º, da Resolução CMN nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011 atuando para as instituições financeiras: SOROCRED CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A – CNPJ: 04.814.563/0001-74 e PROVU SOCIEDADE DE CRÉDITO DIRETO S.A – CNPJ Nº 42.627.615/0001-92.

Informações gerais sobre as operações de crédito ofertadas: a taxa de juros para empréstimo pessoal varia de 4,45% a.m. (68,62% a.a.) até 11% a.m. (249,85% a.a.), e o CET (Custo Efetivo Total) pode variar de 4,79% a.m. (76,78% a.a.) até 11,37% a.m. (270,87% a.a.), dependendo da análise de crédito do cliente e do prazo de pagamento, que pode ser de 9, 12, 18, 24 ou 36 meses.

Exemplo: valor: R$ 9.000,00; prazo: 18 meses; taxa de juros: 4,45% a.m.; 68,62% a.a.; CET 75,53% a.a.; parcelas: R$ 757,37; IOF: R$ 206,42; valor total: R$ 13.632,57. Estes valores são exemplificativos e poderão variar de acordo com a política de crédito.