Crediário próprio: o que é?

Atenção! A Provu não solicita depósito antecipado ou PIX para a liberação do empréstimo. Isso é crime.

Crediário próprio: o que é?

Por Provu

5 Minutos

Publicado em 22 fev, 2021

Atualizado em 22 fev, 2021

5 min de leitura

Link Copiado!

Compras parceladas fazem parte da vida de vendedores e compradores há muito tempo, e certamente o crediário próprio é uma das opções mais conhecidas.

O crediário próprio é uma das três categorias deste modelo de venda, e oferece ao cliente a possibilidade de compra em um modelo de financiamento aberto, com parcelas fixas acrescidas de juros, onde ele sai da loja sabendo exatamente quanto irá pagar em cada parcela e quando irá terminar. O crediário próprio permite que o vendedor aumente o ticket médio de sua loja, além de possibilitar que o cliente compre mais e seja fidelizado. Afinal, com o crediário próprio as informações do cliente ficam com a loja e esse vínculo pode ser uma ferramenta importante para vendas futuras.  

Como oferecer crediário próprio?

Para que o crediário próprio seja uma realidade para o lojista, é preciso entender a mecânica por trás da operação. O vendedor está abdicando de uma empresa que possa gerir o crediário em seu nome, em troca de assegurar mais flexibilidade e melhores condições aos clientes. Com isso em mente, o varejista pode buscar as etapas de construção do crediário próprio e garantir a segurança para ele e para os compradores.

O que é preciso para oferecer o crediário próprio?

A princípio separamos os principais pontos que o varejista precisa considerar ao oferecer crediário próprio:

Sistema de Análise de Crédito

O lojista busca sempre a menor inadimplência possível. Isso não apenas faz parte da sobrevivência do seu negócio, mas também evita o desgaste na relação com o cliente.

Um bom sistema de crédito reúne informações da vida financeira do consumidor e traz de forma rápida e segura a possibilidade ou não de oferecer o crediário a ele, baseado em seu histórico de pagamentos do passado. No início, o varejista pode se utilizar apenas de ferramentas como SCPC e Serasa, mas com o passar do tempo e um cadastro atualizado e consistente de clientes, esse banco de dados pode ser tão valioso quanto as demais ferramentas.

Gestão de inadimplência

Essa é a principal razão pela qual o varejista deixa de oferecer o crediário. Pois, a inadimplência pode assombrar a vida do comércio e por isso o item acima é tão importante. Uma análise de crédito eficiente permite que o vendedor estude o histórico financeiro do consumidor e tente minimizar as chances de inadimplência.

Criar uma relação próxima com os clientes também é importante. Assim é possível se mostrar parceiro e disposto a ajudar a resolver o problema e não apenas cobrar e afastar ainda mais o cliente que já está com dificuldades.

Gestão de Cobranças

Uma coisa que o mercado vem compreendendo cada vez mais, é que uma boa relação entre o varejista e sua base consumidora é fundamental para que ele entenda que pode negociar uma dívida, caso ela seja contraída. Afastar esse cliente é garantir que a pendência financeira permaneça e, ainda que quitada, novas compras não serão efetivadas.

Essa relação de parceria também faz parte de um bom sistema de gestão de cobranças, porque permite maior abertura para lembrar os compradores das parcelas em abertas, utilizando sistemas automáticos de cobrança, por exemplo. E-mails de lembrança e ligações antes do vencimento podem ser tão ou mais úteis do que aquelas que acontecem depois que o cliente se tornou inadimplente.

Quais as diferenças entre os crediários?

Falamos aqui sobre o crediário próprio, mas existem ainda outras formas que os empresários procuram na hora de oferecer o financiamento aberto:

Crediário Garantido

Esse é o modelo em que o varejista opta por uma empresa especializada em administrar compras por crediário. Essas empresas garantem a concessão do crédito em caso de inadimplência, além de as análises e cobranças também serem realizadas por eles.

Crediário Financiado

O crediário financiado é a utilização de capital de uma instituição financeira pelo lojista, reduzindo os riscos que ele poderia ter no caso de oferecer crédito por conta própria. Bem como, os juros e taxas acrescidos às parcelas do carnê ficam todos com a financeira.

Sendo assim, ambos os crediários permitem ao lojista menor preocupação com processo que envolve oferecer crediário. Dessa forma, a grande diferença para o crediário próprio está na possibilidade de você concentrar uma base sólida de clientes e tornar isso uma ferramenta importante de inteligência de mercado. Além disso, com o carnê sendo oferecido pela própria loja, você aumenta as chances de retorno e por sua vez a oportunidade de novas vendas.

Por fim, quer saber mais? Deixe um comentário para a nossa equipe! Além disso, não deixe de nos seguir nas redes sociais!

Escrito por: Provu

Sem comentários ...

Fazer um comentário:

Conteúdos relacionados
Educação Financeira
Teste: como está sua saúde financeira?

A equipe da Provu preparou um teste para você saber como anda sua saúde financeira e se você precisa p...

27 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Previdência Social: entenda o que é e como funciona

Você já deve ter ouvido idosos falar sobre previdência social. Mas afinal, do que se trata este termo ...

21 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Renda extra: o que é e como ganhar em 2022?

Renda extra é o assunto do momento, e nada melhor do que começar o ano ganhando mais dinheiro, não é m...

14 abr, 2022
Ler artigo
s

A provu.com.br pertence à PROVU, CNPJ: 20.265.259/0001-71, com sede na Rua Pais Leme, 524 – Pinheiros, São Paulo – SP, Brasil – CEP: 05424-010.

 

A Provu não é uma instituição financeira, mas sim um prestador de serviços correspondente bancário nos termos do artigo 2º, da Resolução CMN nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011 atuando para as instituições financeiras: SOROCRED CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A – CNPJ: 04.814.563/0001-74 e PROVU SOCIEDADE DE CRÉDITO DIRETO S.A – CNPJ Nº 42.627.615/0001-92.

 

Informações gerais sobre as operações de crédito ofertadas: a taxa de juros para empréstimo pessoal varia de 1,99% a 10,95% ao mês. O CET (Custo Efetivo Total) pode variar de 2,39% a.m. (32,77% a.a.) a 11,17% a.m. (256,33% a.a.), dependendo da análise de crédito do cliente e do prazo de pagamento, que pode ser de 12,18, 24, 30 ou 36 meses.

 

Exemplo: valor: R$ 9.000,00; prazo: 18 meses; taxa de juros: 3,52% a.m.; 51,52% a.a.; CET 58,35% a.a.; parcelas: R$ 702,09; IOF: R$ 242,13; valor total: R$ 12.637,62. Estes valores são exemplificativos e poderão variar de acordo com a política de crédito.