O que é custo de oportunidade?

Atenção! A Provu não solicita depósito antecipado ou PIX para a liberação do empréstimo. Isso é crime.

O que é custo de oportunidade?

Por Provu

5 Minutos

Publicado em 30 mar, 2021

Atualizado em 30 mar, 2021

5 min de leitura

Link Copiado!

Um dos assuntos mais abordados aqui nos conteúdos que produzimos na Provu é o planejamento para uma vida financeira saudável. Ao falarmos sobre custo de oportunidade, estamos novamente entrando em finanças, ainda mais quando esse custo se trata de um ponto importante de avaliação em uma vida de decisões. Ainda que bastante subjetivo, por depender do que é prioridade na avaliação e no planejamento de uma pessoa ou de uma instituição, o custo de oportunidade é um tema que merece ser discutido.

O custo de oportunidade, em linhas gerais, é a consequência que você assume ao tomar uma decisão, ao invés de outra. Ao optar por um investimento X, você deixa de investir ou de investir mais na opção Y. Quando os rendimentos começam a aparecer e você descobre que o cenário traçado para X não se concretizou, esse “preço” a se pagar por ter renunciado à Y, é o custo de oportunidade.

Claro que estamos falando de situações ligadas a produtos e serviços financeiros como investimento e financiamentos, mas o custo de oportunidade permeia situações diárias que, às vezes, nem nos damos conta, como quando vemos uma empresa desmatar uma área de mata nativa para uma nova fábrica ou um empreendimento agrícola. A decisão foi tomada tendo em conta o lucro que a produção vai lhe trazer. Nessa análise, a aposta no desenvolvimento fez a empresa assumir o custo de oportunidade de uma área natural que possa contribuir para o controle climático e proteção dos leitos dos rios, por exemplo.

Qual a importância do custo de oportunidade?

A gente sabe que um dos grandes sonhos do brasileiro é o de comprar um carro, ou conquistar a casa própria, certo?

Então imagine que uma pessoa tem o valor necessário para comprar seu primeiro carro. Ele realiza a compra e então se vê descapitalizado para outras operações cotidianas, ou até mesmo para manter o automóvel. Ela realizou o sonho, mas esqueceu de se planejar e pesquisar todos os custos que teria como manutenção, seguro e combustível. Em um cenário como esse, o custo de oportunidade é o que essa pessoa renunciou ao deixar de investir o dinheiro que tinha por um tempo, garantindo um rendimento que lhe possibilitasse arcar com as despesas que um carro traz consigo.

O que queremos mostrar com esse exemplo, é a importância que o custo de oportunidade tem na vida de pessoas e empresas. É preciso considerá-lo dentro do seu planejamento financeiro, assim como é importante que se tenha bem claro quais seriam as outras opções além daquela que você está inclinado a escolher. Sem isso, de que forma você poderia considerar seus custos de oportunidade?

Quais os tipos de custo de oportunidade?

Existem 4 tipos principais.

Custo de oportunidade escondido

Quando você opta por investir em um fundo de renda fixa, por exemplo, e deixa de investir em um de renda variável, é possível saber o quanto você deixaria ou não de ganhar, já que juros e taxas ficam expostas. No caso do custo de oportunidade escondido, não há como saber o que se perde ao optar por um ou por outro cenário. Os custos podem estar inclusos e mascarados na decisão.

Custo de oportunidade aberto

Nesse caso, funciona exatamente no exemplo que demos acima. O custo de oportunidade aberto não contém custos e riscos embutidos, sendo possível compreender o verdadeiro potencial e consequência da decisão.

Custo de oportunidade ambiental

Para o custo de oportunidade ambiental, consideramos o valor máximo que se poderia obter com a exploração de um recurso natural. Por exemplo, queimamos a maior parte de nosso petróleo com produção de combustíveis. Dessa forma, deixamos de desenvolver mais outras indústrias paralelas, como a do plástico.

Como calcular o custo de oportunidade?

Vamos usar o mesmo exemplo que abordamos no começo desse texto:

Imagine que você tem um investimento X que, ao final de 3 anos, deve trazer um retorno de R$15.000,00. Por outro lado, o investimento Y que também estava em jogo, mas não foi utilizado, teria uma taxa de rentabilidade de 4%. Nesse caso, estabelecendo uma relação entre a decisão tomada, temos:

R$15.000,00 / (1+4%)³ = R$ 14.648,00

Logo, com a rentabilidade que teria ao optar pelo investimento Y, a relação fica muito próxima ao investimento X. Ainda assim, vale lembrar que essa não é uma matemática exata.

Conforme falamos, tudo depende das motivações e planejamentos de cada um. No entanto, existem outras maneiras de estimar os custos de oportunidade, como analisar taxas de rendimento em fundos de renda fixa, ao optar por deixar seu dinheiro na poupança.

Já que falamos bastante sobre análises e escolhas sobre investimento, fizemos um outro conteúdo sobre as boas práticas ao investir dinheiro.

Escrito por: Provu

Sem comentários ...

Fazer um comentário:

Conteúdos relacionados
Educação Financeira
Teste: como está sua saúde financeira?

A equipe da Provu preparou um teste para você saber como anda sua saúde financeira e se você precisa p...

27 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Previdência Social: entenda o que é e como funciona

Você já deve ter ouvido idosos falar sobre previdência social. Mas afinal, do que se trata este termo ...

21 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Renda extra: o que é e como ganhar em 2022?

Renda extra é o assunto do momento, e nada melhor do que começar o ano ganhando mais dinheiro, não é m...

14 abr, 2022
Ler artigo
s

A provu.com.br pertence à PROVU, CNPJ: 20.265.259/0001-71, com sede na Rua Pais Leme, 524 – Pinheiros, São Paulo – SP, Brasil – CEP: 05424-010.

 

A Provu não é uma instituição financeira, mas sim um prestador de serviços correspondente bancário nos termos do artigo 2º, da Resolução CMN nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011 atuando para as instituições financeiras: SOROCRED CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A – CNPJ: 04.814.563/0001-74 e PROVU SOCIEDADE DE CRÉDITO DIRETO S.A – CNPJ Nº 42.627.615/0001-92.

 

Informações gerais sobre as operações de crédito ofertadas: a taxa de juros para empréstimo pessoal varia de 1,99% a 10,95% ao mês. O CET (Custo Efetivo Total) pode variar de 2,39% a.m. (32,77% a.a.) a 11,17% a.m. (256,33% a.a.), dependendo da análise de crédito do cliente e do prazo de pagamento, que pode ser de 12,18, 24, 30 ou 36 meses.

 

Exemplo: valor: R$ 9.000,00; prazo: 18 meses; taxa de juros: 3,52% a.m.; 51,52% a.a.; CET 58,35% a.a.; parcelas: R$ 702,09; IOF: R$ 242,13; valor total: R$ 12.637,62. Estes valores são exemplificativos e poderão variar de acordo com a política de crédito.