É preciso falar de dinheiro antes de casar

Atenção! A Provu não solicita depósito antecipado ou PIX para a liberação do empréstimo. Isso é crime.

É preciso falar de dinheiro antes de casar

Por Provu

5 Minutos

Publicado em 27 jun, 2018

Atualizado em 27 jun, 2018

5 min de leitura

Link Copiado!

Você que está namorando ou noivo e pretende morar junto com seu par ou mesmo casar, já está na hora de falar de finanças. Deixar para falar de dinheiro só depois de casar não é boa ideia por vários motivos e nós vamos falar disso hoje aqui no blog da Provu.

Falar de dinheiro evita brigas

Ao falar das finanças pessoais antes de começar a dividir as contas com outra pessoa evita brigas de casal. Afinal, quando casamos é normal começar a fazer mais planos juntos e a dividir responsabilidades, o que inclui as contas.

Quando não se sabe se o outro tem dívidas, quanto ganha, quanto consegue guardar, fica difícil construir junto. Por isso, se o casal tem a intenção de construir um patrimônio ou mesmo realizar sonhos juntos, é preciso sentar, conversar, e entender como o outro lida com o dinheiro.

Falar de dinheiro é uma forma de aumentar a cumplicidade entre o casal e compartilhar problemas, afinal, quando fazemos isso fica mais fácil encontrar soluções. Além disso, evita frustrações.

Imagine que você está pensando em começar a guardar dinheiro para uma viagem a dois e conta que seu companheiro vá fazer o mesmo. Se o seu parceiro ou parceira já está envolvido(a) em dívidas, é possível que os planos precisem ser adiados. Se conversarem antes, ninguém ficará frustrado ou se sentindo pressionado.

Conta conjunta ou divisão de contas

Há casais que optam pela conta conjunta e há aqueles que preferem dividir quem paga quais contas. Não há nada de errado em optar por uma ou outra, mas há algumas facilidades na escolha da primeira opção.

A conta conjunta permite que os dois tenham controle das finanças do casal e que um possa ajudar o outro a não esquecer de pagar uma determinada conta. Além disso, se um dos dois tem mais dificuldade em poupar, com a conta conjunta o outro poderá ajudá-lo.

Mas o  mais importante mesmo é que está escolha seja feita em conjunto e que os dois estejam confortáveis com ela.

Cartão de crédito

O cartão de crédito também pode virar uma dor de cabeça se um dos dois (ou mesmo os dois) não tiver muito controle sobre seus gastos. É preciso que ocorra um debate para saber se cada um manterá o seu cartão ou se eles terão um cartão de crédito principal e um adicional, com um limite único.

O limite único evita que o casal gaste mais do que pode. Afinal, se cada um mantém um cartão diferente com limites muito superiores ao que o par poderia pagar, não é impossível que ocorra algum desastre.

Perguntas financeiras para fazer ao seu noivo ou noiva antes de casar

Além de falar sobre conta conjunta e cartão de crédito, existem alguns outros temas que precisam estar claros antes do casamento. Separamos algumas perguntas para você fazer e responder antes do tão esperado dia:

  1. Você tem dívidas?
  2. Você tem alguma restrição no seu nome?
  3. Como vamos dividir as responsabilidades financeiras?
  4. Você precisará ajudar financeiramente algum parente após o casamento? Se sim, quanto isso afetará nas despesas?
  5. Vamos ter conta conjunta ou contas bancárias separadas?
  6. Que regime de casamento teremos: comunhão parcial, comunhão universal ou separação total de bens?
  7. Qual nossa renda total?
  8. Quais serão nossas despesas fixas após o casamento? Conseguimos bancá-las com nossa renda atual?
  9. Vamos ter um empregado ou um diarista para as tarefas domésticas? Se sim, como pagaremos? Se não, como dividiremos as tarefas?
  10. Vamos morar de aluguel ou vamos comprar um imóvel?
  11. Temos reservas financeiras?
  12. Quais são nossos objetivos para nossas reservas financeiras?
  13. Que despesas você tem e não abre mão? (Ex: academia, faculdade, cursos, terapia, etc)
  14. Teremos investimentos? Se sim, eles serão conjuntos? De que tipo?
  15. Vamos ter filhos? Se sim, como isso impactará nossas finanças e como vamos lidar com as mudanças?
  16. Vamos fazer festa de casamento? Se sim, como iremos pagar as despesas? Ambos concordam em criar dívidas para fazer a festa?
  17. Vamos fazer uma viagem de lua de mel? Se sim, como iremos pagar as despesas? Haverá frustração se a viagem não existir?
  18. Como vamos decorar a casa? Qual será o custo? Como iremos bancar este custo? Que coisas são importantes para cada um nesta decisão?
  19. Se um dos dois ficar desempregado, conseguimos nos manter?
  20. Estamos prontos para abrir mão das comodidades de viver com os pais?

Estas perguntas financeiras antes de casar ajudarão os noivos a evitarem dores de cabeça e brigas após o casamento, e consequentemente podem evitar um divórcio. Tente não fugir delas, afinal, se não tiverem esta conversa antes do casamento, em algum momento vão precisar tratar este tema depois.

SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Escrito por: Provu

Sem comentários ...

Fazer um comentário:

Conteúdos relacionados
Educação Financeira
Teste: como está sua saúde financeira?

A equipe da Provu preparou um teste para você saber como anda sua saúde financeira e se você precisa p...

27 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Previdência Social: entenda o que é e como funciona

Você já deve ter ouvido idosos falar sobre previdência social. Mas afinal, do que se trata este termo ...

21 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Renda extra: o que é e como ganhar em 2022?

Renda extra é o assunto do momento, e nada melhor do que começar o ano ganhando mais dinheiro, não é m...

14 abr, 2022
Ler artigo
s

A provu.com.br pertence à PROVU, CNPJ: 20.265.259/0001-71, com sede na Rua Pais Leme, 524 – Pinheiros, São Paulo – SP, Brasil – CEP: 05424-010.

 

A Provu não é uma instituição financeira, mas sim um prestador de serviços correspondente bancário nos termos do artigo 2º, da Resolução CMN nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011 atuando para as instituições financeiras: SOROCRED CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A – CNPJ: 04.814.563/0001-74 e PROVU SOCIEDADE DE CRÉDITO DIRETO S.A – CNPJ Nº 42.627.615/0001-92.

 

Informações gerais sobre as operações de crédito ofertadas: a taxa de juros para empréstimo pessoal varia de 1,99% a 10,95% ao mês. O CET (Custo Efetivo Total) pode variar de 2,39% a.m. (32,77% a.a.) a 11,17% a.m. (256,33% a.a.), dependendo da análise de crédito do cliente e do prazo de pagamento, que pode ser de 12,18, 24, 30 ou 36 meses.

 

Exemplo: valor: R$ 9.000,00; prazo: 18 meses; taxa de juros: 3,52% a.m.; 51,52% a.a.; CET 58,35% a.a.; parcelas: R$ 702,09; IOF: R$ 242,13; valor total: R$ 12.637,62. Estes valores são exemplificativos e poderão variar de acordo com a política de crédito.