Juro do rotativo do cartão de crédito sobe

Atenção! A Provu não solicita depósito antecipado ou PIX para a liberação do empréstimo. Isso é crime.

Juro do rotativo do cartão de crédito sobe

Por Provu

3 Minutos

Publicado em 30 jul, 2018

Atualizado em 30 jul, 2018

3 min de leitura

Link Copiado!

No primeiro mês de vigência das novas regras que visavam diminuir o juro do rotativo do cartão de crédito, o custo da modalidade subiu. Em junho, quem pagou pelo menos o valor mínimo da fatura teve uma média de 261,1% ao ano, 18,1 pontos mais que maio.

Os juros não regulares, na qual o consumidor paga menos que o valor mínimo, caiu 32,8 pontos no mesmo período, chegando a 313,3% ao ano. Lembrando que a partir de junho é permitido aos bancos personalizar a porcentagem do mínimo para cada cliente. Antes esse valor era fixo em 15% da fatura.

O movimento foi puxado pelos bancos Santander Brasil e Bradesco. No primeiro a alta foi de 30,7 pontos, somando 241,91% ao ano. Já no segundo o crescimento foi de 4,35 pontos, chegando a 317% ao ano – a mais cara entre as grandes instituições financeiras do país.

A taxa caiu no Banco do Brasil (menos 13,75 pontos, a 165% ao ano), e na Caixa Econômica Federal (recuo de 3,16 pontos, a 237,52% ao ano). No Itaú houve estabilidade, com 313,3% ao ano.

Mudanças no Cartão de Crédito

Com as novas regras em vigor, o objetivo do Banco Central era aproximar a taxa dos juros não regulares (quando não há o pagamento mínimo da fatura) com  o rotativo (quando pelo menos o mínimo é pago). Mas o efeito foi o contrário. O rotativo é que subiu.

Segundo o Banco Central esse movimento é uma adequação das instituições às novas regras, não sendo possível ainda prever se é uma tendência que vai se manter.

Inadimplência

A alta se deu mesmo com a estabilidade da inadimplência na modalidade. Segundo o Banco Central, a taxa de não pagamento do rotativo do cartão foi de 34,6% em junho, ligeiramente menor que os 34,7% de maio.

Como sair da dívida do cartão de crédito

Apesar das iniciativas das autoridades monetárias, dívidas do cartão de crédito continuarão como uma das mais caras do mercado, junto com o cheque especial. O ideal é nunca deixar de pagar o valor total da fatura.

Caso a situação saia do controle e não seja possível o pagamento total da fatura, o consumidor deve procurar outras linhas de crédito mais baratas para pagar a dívida.

Uma sugestão é o empréstimo pessoal, que tem taxas médias mais baixas. Pode ser a diferença entre sair do sufoco ou cair numa bola de neve.

Henrique Lian, Gerente Executivo da Proteste, explica neste vídeo quando é vantagem tomar um empréstimo para pagar o rotativo do cartão.

SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Escrito por: Provu

Sem comentários ...

Fazer um comentário:

Conteúdos relacionados
Cartão de Crédito
Cartão de crédito consignado: o que é e como funciona?

O cartão de crédito consignado é um tipo de cartão oferecido a aposentados, funcionários públicos e pe...

17 fev, 2022
Ler artigo
Cartão de Crédito
Limite disponível para crediário: entenda como funciona

Ao realizar uma compra, geralmente usamos o nosso cartão de crédito, certo? Mas você sabia que existe ...

16 dez, 2021
Ler artigo
Cartão de Crédito
Cartão de crédito com cashback: como funciona?

Antigamente, nem se pensava em gastar dinheiro no cartão e ter algo em troca que não fosse aquilo que ...

16 nov, 2021
Ler artigo
s

A provu.com.br pertence à PROVU, CNPJ: 20.265.259/0001-71, com sede na Rua Pais Leme, 524 – Pinheiros, São Paulo – SP, Brasil – CEP: 05424-010.

 

A Provu não é uma instituição financeira, mas sim um prestador de serviços correspondente bancário nos termos do artigo 2º, da Resolução CMN nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011 atuando para as instituições financeiras: SOROCRED CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A – CNPJ: 04.814.563/0001-74 e PROVU SOCIEDADE DE CRÉDITO DIRETO S.A – CNPJ Nº 42.627.615/0001-92.

 

Informações gerais sobre as operações de crédito ofertadas: a taxa de juros para empréstimo pessoal varia de 1,99% a 10,95% ao mês. O CET (Custo Efetivo Total) pode variar de 2,39% a.m. (32,77% a.a.) a 11,17% a.m. (256,33% a.a.), dependendo da análise de crédito do cliente e do prazo de pagamento, que pode ser de 12,18, 24, 30 ou 36 meses.

 

Exemplo: valor: R$ 9.000,00; prazo: 18 meses; taxa de juros: 3,52% a.m.; 51,52% a.a.; CET 58,35% a.a.; parcelas: R$ 702,09; IOF: R$ 242,13; valor total: R$ 12.637,62. Estes valores são exemplificativos e poderão variar de acordo com a política de crédito.