DARF: saiba o que é e como emitir

Atenção! A Provu não solicita depósito antecipado ou PIX para a liberação do empréstimo. Isso é crime.

DARF: saiba o que é e como emitir

Por Provu

5 Minutos

Publicado em 09 mar, 2022

Atualizado em 09 mar, 2022

5 min de leitura

Link Copiado!

Não é novidade que todas as operações que fazemos no dia-a-dia, desde um almoço até a compra de um imóvel, têm impostos embutidos que devem ser quitados para que possamos continuar na legalidade, certo?

Assim, quando esses impostos, contribuições e taxas vêm como consequência de operações financeiras, a DARF entra em cena para reunir todas essas obrigações em um só lugar, e funciona como a principal ferramenta de recolhimento da Receita Federal.

Pode parecer um pouco complicado, mas este artigo vai clarear suas ideias, e te ajudar a entender os pontos mais importantes sobre o Documento de Arrecadação de Receitas Federais, ou simplesmente DARF. 

DARF: o que é?

O DARF nada mais é do que um boleto de cobrança, criado para facilitar a vida de pessoas físicas ou jurídicas que precisam pagar tributos federais. Com ele, ao invés de você emitir guias para cada uma das obrigações, é possível compilar tudo em um lugar só.

Dentro do DARF estão incluídos o Imposto de Renda para pessoas físicas ou jurídicas (IRPF ou IRPJ), Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins), Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro (IOF) e o Programa de Integração Social (PIS).  

Tipos de DARF 

DARF simples 

Este é um modelo que, em 2011, após a criação do Simples Nacional, foi substituído pelo Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS). 

O DARF simples, de 1997 até 2011, era utilizado por empresas enquadradas em regime especial de tributos, e que pagavam seus impostos em uma única guia.

DARF comum 

Com a substituição do DARF Simples, em 2011, o modelo comum é o único que continua em vigor atualmente. Ele é utilizado não apenas por pessoa jurídica, como no modelo anterior, mas também por pessoas físicas. 

Para ambos, o DARF é a guia utilizada para pagamento dos impostos que citamos anteriormente, incluindo impostos de importação alfandegária.

Qual é a importância da DARF para o investidor?

Cada vez mais pessoas descobrem e entram no amplo universo dos investimentos no Brasil. Para esses investidores, o DARF é uma ferramenta essencial. 

Quando se obtém lucro nas operações de renda variável como a Bolsa de Valores, por exemplo, o Governo Federal leva uma parte que você deve declarar no Imposto de Renda, e pagar por meio do DARF.

Quando a Bolsa de Valores (B3) realiza as operações, ela retém 1% desse rendimento nas operações de Day Trade, e 0,005% sobre o valor das operações maiores do que um dia. Esta parte é automaticamente tributada e direcionada ao Governo. O restante, deverá ser feito por meio da declaração.

No caso dos investimentos de renda fixa, como os Títulos do Tesouro Direto, a fonte recolhe os impostos diretamente, o que significa que você já recebe o lucro descontado da parcela destinada aos cofres públicos. 

Quando um investidor precisa pagar o DARF?

Para ficar mais claro, vamos falar sobre as situações concretas em que você precisa emitir e pagar o DARF, considerando a renda variável na Bolsa de Valores.

A emissão precisa acontecer sempre que houver lucro dentro do mês, e que as ações somem mais de R$20 mil em vendas. No caso das alíquotas para o Imposto de Renda, elas variam de acordo com os produtos e o formato em que são negociados, conforme abaixo:

  • Day Trade com futuros ou opções: 20%;
  • Day Trade com compra e venda no mesmo dia: 20%;
  • Operações de mais de um dia com ações: 15%;
  • Fundos imobiliários (day trade ou não): 20%;
  • Operações de mais de um dia com opções: 15%. 

Como emitir o DARF?

  • Antes de mais nada, é necessário juntar todas as notas de corretagem de operações que aconteceram dentro do mês. Com elas é possível somar os resultados e saber se houve ou não lucro. É possível fazer a emissão e o pagamento até o último dia útil do mês seguinte ao de apuração.

  • Como já mostramos, as operações possuem diferentes alíquotas, então separe as notas por tipo de produto, antes de fazer a soma. Na sequência, aplique as alíquotas para cada tipo de operação. Do resultado, basta subtrair a parte do imposto que já foi retido na fonte.

  • Por último, para o preenchimento da guia, utilize a plataforma Sicalcweb, desenvolvida pela Receita Federal. O preenchimento é feito online. Ao fazer o preenchimento, haverá um campo chamado Código. Nele, utilize sempre o número 6015 para pessoas físicas e 3317 para pessoas jurídicas.  

Como pagar o DARF?

É possível pagar o DARF nas agências bancárias, em lotéricas e nos próprios aplicativos e sites das instituições financeiras. 

O que acontece caso o DARF esteja atrasado? 

Por fim, se por um acaso você emitiu a guia e não realizou o pagamento até a data limite, será necessário acessar novamente a Sicalcweb e recalcular o valor. 

Nesse sentido, calcula-se os juros com base na Taxa Selic do mês, e a multa é de 0,33% ao dia, com limite máximo de 20% pelo atraso.

Sem o DARF, as coisas certamente seriam mais trabalhosas para pessoas físicas e jurídicas, investidoras ou não. 

No entanto, nem por isso deve-se deixar de ter cuidado. O cálculo correto, o preenchimento das informações e as datas de emissão e pagamento, são essenciais para que você se mantenha em dia com a Receita Federal. 

Com esse conteúdo, esperamos ter ajudado você a entender melhor o assunto, e principalmente, evitar dor de cabeça no futuro. Caso queira conhecer um pouco mais sobre assuntos relacionados à educação financeira e empréstimo pessoal, o Blog Provu tem muito mais artigos exclusivos.

Escrito por: Provu

Sem comentários ...

Fazer um comentário:

Conteúdos relacionados
Educação Financeira
Teste: como está sua saúde financeira?

A equipe da Provu preparou um teste para você saber como anda sua saúde financeira e se você precisa p...

27 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Previdência Social: entenda o que é e como funciona

Você já deve ter ouvido idosos falar sobre previdência social. Mas afinal, do que se trata este termo ...

21 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Renda extra: o que é e como ganhar em 2022?

Renda extra é o assunto do momento, e nada melhor do que começar o ano ganhando mais dinheiro, não é m...

14 abr, 2022
Ler artigo
s

A provu.com.br pertence à PROVU, CNPJ: 20.265.259/0001-71, com sede na Rua Pais Leme, 524 – Pinheiros, São Paulo – SP, Brasil – CEP: 05424-010.

 

A Provu não é uma instituição financeira, mas sim um prestador de serviços correspondente bancário nos termos do artigo 2º, da Resolução CMN nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011 atuando para as instituições financeiras: SOROCRED CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A – CNPJ: 04.814.563/0001-74 e PROVU SOCIEDADE DE CRÉDITO DIRETO S.A – CNPJ Nº 42.627.615/0001-92.

 

Informações gerais sobre as operações de crédito ofertadas: a taxa de juros para empréstimo pessoal varia de 1,99% a 10,95% ao mês. O CET (Custo Efetivo Total) pode variar de 2,39% a.m. (32,77% a.a.) a 11,17% a.m. (256,33% a.a.), dependendo da análise de crédito do cliente e do prazo de pagamento, que pode ser de 12,18, 24, 30 ou 36 meses.

 

Exemplo: valor: R$ 9.000,00; prazo: 18 meses; taxa de juros: 3,52% a.m.; 51,52% a.a.; CET 58,35% a.a.; parcelas: R$ 702,09; IOF: R$ 242,13; valor total: R$ 12.637,62. Estes valores são exemplificativos e poderão variar de acordo com a política de crédito.