Guardar dinheiro ou pagar as dívidas?

Atenção! A Provu não solicita depósito antecipado ou PIX para a liberação do empréstimo. Isso é crime.

Guardar dinheiro ou pagar as dívidas?

Por Mirela Alves

3 min de leitura

Publicado em 19 jun, 2018

Atualizado em 29 jun, 2022

3 min de leitura

Link Copiado!

O que é melhor, guardar dinheiro ou pagar as dívidas? Veja em quais situações cada opção é aconselhada.

Pagar as dívidas deve ser a prioridade de qualquer pessoa. Isso porque os juros se acumulam e, a cada atraso, ela fica maior. Mas será que existe alguma situação em que é aconselhável guardar dinheiro ao invés de pagar os débitos?

A resposta é provavelmente não. Isso porque os juros de dívidas costumam ser maiores que qualquer investimento, ou seja, o seu dinheiro rende menos que o valor devido. No final, você perde.

Mas existem alguns casos em que é sim aconselhável poupar ou investir ao invés de pagar uma dívida. Isso só acontece quando o juro da dívida é menor que o lucro do rendimento. É raro, mas pode ocorrer, por exemplo, com o crédito imobiliário.

Em uma situação hipotética, suponha que você tenha um financiamento imobiliário e recebe uma quantia de dinheiro suficiente para pagar todo o débito. Calcule e veja se o valor pode render mais em alguma modalidade de investimento.

Mas esses casos são extremamente raros. Pessoas endividadas, principalmente no cartão de crédito e cheque especial, devem dar prioridade máxima à essas dívidas. Porque é extremamente improvável que qualquer oportunidade renda mais que os altos juros cobrados nessas modalidades.

Cuidado com armadilhas

É necessário ter extremo cuidado com armadilhas. Muitas vezes, pessoas endividadas escolhem investir o seu dinheiro em negócios não seguros e, talvez, bons demais para serem verdade. Quando se trata de investimento a regra sempre é: quanto maior o lucro, maior o risco. E quem deve não pode se dar ao luxo de se aventurar e perder ainda mais.

A consultora financeira Júlia Mendonça esteve aqui na Provu e ensinou como escolher o melhor investimento. Confira:



Como sair das dívidas

Se você tem débitos com o cheque especial, cartão de crédito ou financiamentos caros, o aconselhável é trocar a dívida cara por uma mais barata.

Para isso, some todos os seus débitos e tente negociar algum desconto no pagamento a vista. Em seguida, faça um empréstimo com juros mais baixos que a sua dívida atual. Assim, você vai saber o quanto vai pagar por mês e conseguir se programar.

Claro, é importante também economizar e cortar custos desnecessários. Você pode cancelar a tv por assinatura ou evitar restaurantes.

O economista Flávio Calife, do Boa Vista SCPC, também esteve na Provu e explicou quais cuidados se deve ter e como é possível acabar com as dívidas. Confira:



Empréstimo na Provu

A Provu oferece empréstimo pessoal com uma taxa de juro média mais baixa que os grandes bancos. Faça uma simulação:

SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Escrito por: Mirela Alves

Sem comentários ...

Fazer um comentário:

Conteúdos relacionados
Educação Financeira
Teste: como está sua saúde financeira?

A equipe da Provu preparou um teste para você saber como anda sua saúde financeira e se você precisa p...

27 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Previdência Social: entenda o que é e como funciona

Você já deve ter ouvido idosos falar sobre previdência social. Mas afinal, do que se trata este termo ...

21 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Renda extra: o que é e como ganhar em 2022?

Renda extra é o assunto do momento, e nada melhor do que começar o ano ganhando mais dinheiro, não é m...

14 abr, 2022
Ler artigo
s

A provu.com.br pertence à PROVU, CNPJ: 20.265.259/0001-71, com sede na Rua Pais Leme, 524 – Pinheiros, São Paulo – SP, Brasil – CEP: 05424-010.

 

A Provu não é uma instituição financeira, mas sim um prestador de serviços correspondente bancário nos termos do artigo 2º, da Resolução CMN nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011 atuando para as instituições financeiras: SOROCRED CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A – CNPJ: 04.814.563/0001-74 e PROVU SOCIEDADE DE CRÉDITO DIRETO S.A – CNPJ Nº 42.627.615/0001-92.

 

Informações gerais sobre as operações de crédito ofertadas: a taxa de juros para empréstimo pessoal varia de 1,99% a 10,95% ao mês. O CET (Custo Efetivo Total) pode variar de 2,39% a.m. (32,77% a.a.) a 11,17% a.m. (256,33% a.a.), dependendo da análise de crédito do cliente e do prazo de pagamento, que pode ser de 12,18, 24, 30 ou 36 meses.

 

Exemplo: valor: R$ 9.000,00; prazo: 18 meses; taxa de juros: 3,52% a.m.; 51,52% a.a.; CET 58,35% a.a.; parcelas: R$ 702,09; IOF: R$ 242,13; valor total: R$ 12.637,62. Estes valores são exemplificativos e poderão variar de acordo com a política de crédito.