Bancos suspendem crédito consignado para aposentados por invalidez

Atenção! A Provu não solicita depósito antecipado ou PIX para a liberação do empréstimo. Isso é crime.

Bancos suspendem crédito consignado para aposentados por invalidez

Por Provu

3 Minutos

Publicado em 13 out, 2016

Atualizado em 13 out, 2016

3 min de leitura

Link Copiado!

O Governo vem trabalhando para estancar o déficit da Previdência no Brasil por meio da revisão de benefícios de mais de 1 milhão de pessoas aposentadas por invalidez. Com isso, consequências negativas vem ocorrendo para quem quer um crédito consignado.

Alguns bancos de médio porte, que possuem forte atuação no segmento de empréstimos deste tipo no país, voltados para aposentados e pensionistas, começaram a suspender os financiamentos consignados para clientes com menos de 60 anos que estão aposentados por invalidez.

Por que o crédito consignado está sendo negado?

O Governo Federal está revisando 1,1 milhão de benefícios concedidos já mais de 2 anos e quem for considerado apto a voltar ao mercado de trabalho ou não comparecer à perícia perderá a aposentadoria por invalidez, segundo informação do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

As prestações de um crédito consignado são descontadas diretamente da folha de pagamento. Com isso, instituições financeiras que oferecem este tipo de empréstimo temem que muitos clientes fiquem inadimplentes.

Segundo o diretor de Estudos Econômicos da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac), em entrevista ao jornal O Globo, Miguel Ribeiro de Oliveira, estima-se que os bancos médios representem cerca de 30% da oferta de crédito consignado no país.

Negativas devem crescer

Especialistas em crédito apontam que essa restrição deverá chegar a mais bancos médios que operam no segmento. Isso porque sem a aposentadoria, não há como estes clientes fazerem a solicitação do crédito.

Nos grandes bancos ainda não houve detecção deste movimento de negar o empréstimo. Contudo é algo que não pode ser descartado, considerando o risco para as instituições de ficarem sem receber.

Cenário

Nos últimos 12 meses, o saldo de empréstimos pessoais (não consignados) teve retração de 0,8%. Já o crédito consignado avançou  5,8%. Somente entre os beneficiários do INSS, o aumento foi de 13,4% no mesmo período.

Atualmente, um empréstimo de R$ 500 parcelado em 12 vezes no consignado tem prestações de R$ 47,65 (em média) e um total pago de R$ 58,01. Supondo que a pessoa utilize o rotativo do cartão de crédito, rolando por 12 meses, a dívida subirá para R$2.877.

Provu oferece crédito consignado?

A Provu não trabalha com crédito consignado, mas tem soluções de empréstimo pessoal não consignado com taxas de juros mais baixas que bancos tradicionais com mesma modalidade de crédito. A simulação das parcelas pode ser feita diretamente no site, assim como o pedido de crédito.

Escrito por: Provu

Sem comentários ...

Fazer um comentário:

Conteúdos relacionados
Economia
Multa do Imposto de Renda: como funciona?

Perdeu o prazo de declaração do Imposto de Renda? Quer saber qual é a multa e como funciona o cálculo?...

28 abr, 2022
Ler artigo
Economia
Imposto de Renda negativo: o que é?

Imposto de renda negativo não tem relação com a restituição de imposto de renda, pelo contrário, o ter...

13 abr, 2021
Ler artigo
Economia
O que é IPO?

Oferta pública inicial, ou IPO, sigla para “Initial Public Ofering”, do inglês. Você pode nunca ter ou...

01 abr, 2021
Ler artigo
s

A provu.com.br pertence à PROVU, CNPJ: 20.265.259/0001-71, com sede na Rua Pais Leme, 524 – Pinheiros, São Paulo – SP, Brasil – CEP: 05424-010.

 

A Provu não é uma instituição financeira, mas sim um prestador de serviços correspondente bancário nos termos do artigo 2º, da Resolução CMN nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011 atuando para as instituições financeiras: SOROCRED CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A – CNPJ: 04.814.563/0001-74 e PROVU SOCIEDADE DE CRÉDITO DIRETO S.A – CNPJ Nº 42.627.615/0001-92.

 

Informações gerais sobre as operações de crédito ofertadas: a taxa de juros para empréstimo pessoal varia de 1,99% a 10,95% ao mês. O CET (Custo Efetivo Total) pode variar de 2,39% a.m. (32,77% a.a.) a 11,17% a.m. (256,33% a.a.), dependendo da análise de crédito do cliente e do prazo de pagamento, que pode ser de 12,18, 24, 30 ou 36 meses.

 

Exemplo: valor: R$ 9.000,00; prazo: 18 meses; taxa de juros: 3,52% a.m.; 51,52% a.a.; CET 58,35% a.a.; parcelas: R$ 702,09; IOF: R$ 242,13; valor total: R$ 12.637,62. Estes valores são exemplificativos e poderão variar de acordo com a política de crédito.