Lucro do FGTS: O que é? Eu tenho direito a receber?

Atenção! A Provu não solicita depósito antecipado ou PIX para a liberação do empréstimo. Isso é crime.

Lucro do FGTS: O que é? Eu tenho direito a receber?

Por Mirela Alves

4 min de leitura

Publicado em 01 set, 2021

Atualizado em 28 jun, 2022

4 min de leitura

Link Copiado!

Quem é trabalhador registrado já está cansado de ouvir sobre o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço). Mas você sabe o que o lucro do FGTS vai impactar no dia a dia de quem vai recebê-lo? E o mais importante: quem tem direito ao lucro do FGTS? Preparamos este post para esclarecer algumas dúvidas sobre o anunciado da Caixa Econômica Federal. 

Recentemente, a Caixa informou que irá distribuir cerca de R$ 8,13 bilhões do lucro de 2020 aos trabalhadores. Vale ressaltar que o lucro do fundo só será aplicado ao valor presente na conta em 31 de dezembro do ano passado (2020). Por isso, se você quer saber quanto e se vai receber, deve multiplicar o valor que constava nas contas (ativas e inativas) no último dia de dezembro de 2020 por 0,01863517 (1,86% do saldo).

 Quem tem direito a receber o lucro do FGTS?

Qualquer trabalhador formal que possua conta vinculada ao FGTS com saldo positivo em 31 de dezembro de 2020 pode fazer parte da distribuição do lucro, que será feita de forma proporcional à cada conta do FGTS. 

Quando será pago o lucro do FGTS?

Segundo a Caixa Econômica, o valor será creditado em 191,2 milhões de contas até o dia 31 de agosto. 

Tem como saber quanto vou receber?

O repasse de R$ 8,12 bilhões será distribuído de forma proporcional ao saldo das contas vinculadas no dia 31 de dezembro de 2020. Por isso, quanto maior o saldo do FGTS, maior o lucro que você recebe. Assim como explicamos acima, é possível ter uma ideia de quanto cada trabalhador irá receber, observe algumas simulações de saldo: 

  • De R$ 1.000: lucro de R$ 18,64
  • Mas, com o saldo de: R$ 2.000: lucro de R$ 37,27
  • R$ 3.000: lucro de R$ 55,91
  • E, por fim, o saldo de R$ 5.000: lucro de R$ 93,18

Os trabalhadores podem consultar o saldo do FGTS e o valor do crédito no extrato da sua conta vinculada das seguintes formas:

  • App FGTS;
  • Site da Caixa
  • No Internet Banking Caixa, para os clientes do banco.

Posso sacá-lo?

As regras para saque do FGTS continuam as mesmas. Sendo assim, existem algumas situações em que você pode solicitar a retirada do valor. Quem aderiu ao saque-aniversário pode retirar uma parte do saldo até dois meses após o mês de nascimento, mas perde direito ao pagamento integral do fundo no caso de demissão sem justa causa. Alguns motivos para sacar FGTS são: 

  • Demissão sem justa causa;
  • Aposentadoria;
  • Compra da casa própria;
  • Fim do contrato por prazo indeterminado;
  • Para ajudar no pagamento de um imóvel comprado por consórcio;
  • Para pagar imóvel financiado pelo Sistema Financeiro de Habitação;
  • Morte do patrão e fechamento da empresa;
  • Falta de atividade remunerada para trabalhador avulso por 90 dias;
  • Ter idade igual ou superior a 70 anos;
  • Doenças graves do trabalhador, cônjuge ou filho (ou em caso de estágio terminal em qualquer doença;
  • Morte do trabalhador;
  • Rescisão por culpa recíproca ou força maior.

Como consultar meu extrato do FGTS?

É possível consultar o extrato do FGTS por meio do próprio aplicativo, disponível para iOS e Android. Após baixar o app, basta seguir estes passos: 

  1. Clique em “Primeiro acesso”, na tela inicial;
  2. Leia o contrato e aperte “aceitar”;
  3. Informe o número do NIS e aperte “Continuar”; 
  4. Preencha o formulário e aperte “Próximo”;
  5. Crie a senha e clique em cadastrar. 

Também é possível consultar o FGTS pelo site da Caixa Econômica Federal. Aqui também é necessário saber o número do NIS/PIS, que pode ser encontrado no Cartão do Cidadão, na Carteira de Trabalho ou no extrato impresso do FGTS. O passo a passo para a consulta é: 

  1. Informe o número do NIS/PIS e clique em “Cadastrar senha”;
  2. Leia o regulamento e clique em “Aceito”; 
  3. Preencha seus dados pessoais;
  4. Crie uma senha de até oito dígitos.

Como sacar o FGTS sem o Cartão Cidadão?

Se você não possuir o Cartão Cidadão, é possível pedir a transferência do dinheiro do fundo de garantia para contas bancárias usando o APP FGTS. Ao sugerir o saque do FGTS pelo aplicativo, o trabalhador pode indicar uma conta da Caixa ou outro banco para transferir os valores, sem custo algum.  

E aí, será que você vai ser uma das pessoas a receber o lucro do FGTS? Agora que você já entendeu como funciona e o que fazer para sacar, compartilhe este conteúdo com quem também tem dúvidas. Continue navegando pelo Blog da Provu para aprender ainda mais sobre o mercado financeiro. 

SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Escrito por: Mirela Alves

Sem comentários ...

Fazer um comentário:

Conteúdos relacionados
Educação Financeira
Teste: como está sua saúde financeira?

A equipe da Provu preparou um teste para você saber como anda sua saúde financeira e se você precisa p...

27 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Previdência Social: entenda o que é e como funciona

Você já deve ter ouvido idosos falar sobre previdência social. Mas afinal, do que se trata este termo ...

21 abr, 2022
Ler artigo
Educação Financeira
Renda extra: o que é e como ganhar em 2022?

Renda extra é o assunto do momento, e nada melhor do que começar o ano ganhando mais dinheiro, não é m...

14 abr, 2022
Ler artigo
s

A provu.com.br pertence à PROVU, CNPJ: 20.265.259/0001-71, com sede na Rua Pais Leme, 524 – Pinheiros, São Paulo – SP, Brasil – CEP: 05424-010.

 

A Provu não é uma instituição financeira, mas sim um prestador de serviços correspondente bancário nos termos do artigo 2º, da Resolução CMN nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011 atuando para as instituições financeiras: SOROCRED CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A – CNPJ: 04.814.563/0001-74 e PROVU SOCIEDADE DE CRÉDITO DIRETO S.A – CNPJ Nº 42.627.615/0001-92.

 

Informações gerais sobre as operações de crédito ofertadas: a taxa de juros para empréstimo pessoal varia de 1,99% a 10,95% ao mês. O CET (Custo Efetivo Total) pode variar de 2,39% a.m. (32,77% a.a.) a 11,17% a.m. (256,33% a.a.), dependendo da análise de crédito do cliente e do prazo de pagamento, que pode ser de 12,18, 24, 30 ou 36 meses.

 

Exemplo: valor: R$ 9.000,00; prazo: 18 meses; taxa de juros: 3,52% a.m.; 51,52% a.a.; CET 58,35% a.a.; parcelas: R$ 702,09; IOF: R$ 242,13; valor total: R$ 12.637,62. Estes valores são exemplificativos e poderão variar de acordo com a política de crédito.