Atenção! A Provu não solicita pagamento antecipado para a liberação do Provu Empréstimo Pessoal.

Investimento com pouco dinheiro: por onde começar?

Publicado em 16 fev, 2023

Atualizado em 18 abr, 2023

1 min de leitura

Link Copiado!

O que vem à sua cabeça quando você pensa em investimentos?

Se você imediatamente imaginou engravatados de Wall Street colocando em jogo grandes quantias de dinheiro, pode começar a desmontar esse cenário. Faz bastante tempo que investir já não é uma atividade voltada apenas para magnatas especialistas na Bolsa de Valores.

Na verdade, nos últimos anos, o mundo dos investimentos tem se popularizado bastante entre pessoas “comuns”, que não se dedicam inteiramente às aplicações: empreendedores, trabalhadores registrados e profissionais autônomos, por exemplo, já representam uma boa parcela das contas criadas em corretoras.

Portanto, se você se interessa por investimentos e não sabe bem como embarcar nesse universo sem comprometer muito dinheiro, chegou ao texto certo. Aqui, vamos te explicar tudo que você precisa saber sobre investir usando poucos recursos.

Para começar, é possível investir com pouco dinheiro?

Bem, a resposta é simples e positiva: sim, é perfeitamente possível investir com pouco dinheiro!

Ao aprender mais sobre os investimentos, você vai perceber que as opções de aplicação disponíveis no mercado são tantas que há alternativas viáveis para todos os bolsos, necessidades e objetivos. Acredite: existem opções vantajosas que são acessíveis por valores tão baixos quanto R$10.

O importante nisso tudo é descobrir quais investimentos fazem sentido para você.

Como descobrir qual o melhor investimento para começar?

A essa altura, você pode estar se perguntando como escolher seus primeiros investimentos.

Bem, pense o seguinte: todo investimento pressupõe um retorno. Para escolher em qual produto aplicar, é importante que você pense bastante sobre o que você espera obter a partir das aplicações. Em outras palavras, qual é o seu objetivo para esse dinheiro que será mobilizado?

Considere também o tempo que você está disposto a esperar para começar a ver os frutos da sua aplicação. Afinal, existem investimentos de curto, médio e longo prazo. Tudo isso vai influenciar na definição do seu perfil de investidor, a bússola que vai guiar suas escolhas de investimento.

O que saber antes de investir?

Antes de começar a aplicar seu dinheiro, alguns conceitos básicos sobre os investimentos precisam estar bem estabelecidos. É importante que você saiba, por exemplo, sobre o tripé do investimento: rentabilidade, segurança e liquidez.

Quando falamos em rentabilidade, estamos nos referindo à capacidade de remuneração de um investimento. Algo rentável é, portanto, capaz de dar bons frutos financeiros. Já a segurança diz respeito a quanto você se dispõe a arriscar seu dinheiro. Afinal, algumas aplicações exigem que você se exponha à possibilidade de perder recursos. Por fim, a liquidez é a facilidade de acesso aos valores investidos, isto é, a capacidade de transformá-los em “dinheiro vivo” na sua conta.

Mas por que é importante saber disso? Bem, porque não existe um investimento perfeito, que garanta os três pilares do tripé. Nada será ao mesmo tempo muito rentável, seguro e de alta liquidez. Geralmente, você precisa escolher duas dessas características para priorizar: quer um investimento que você possa resgatar rápido e que renda muito? Então provavelmente ele não será tão seguro. Aqui, é necessário decidir qual característica é mais importante para você.

Opções de investimento para fazer com pouco dinheiro

Agora que você já conhece os conceitos básicos, é hora de explorar algumas das suas opções. Abaixo, te explicaremos mais sobre produtos de investimento que podem ser acessados usando quantias modestas. Com eles, é possível começar sua caminhada como investidor sem precisar de muito dinheiro acumulado.

Vale mencionar ainda que, para algumas pessoas, uma escolha viável é solicitar crédito pessoal para investir. Essa pode ser uma alternativa vantajosa, mas depende de um planejamento financeiro acertado com objetivos muito claros. Portanto, é importantíssimo que você conheça suas opções antes de tomar qualquer decisão.

CDB

A sigla CDB significa Certificado de Depósito Bancário, e é uma das possibilidades de investimento em renda fixa. Funciona mais ou menos assim: um banco emite esses certificados e, ao comprá-los, você injeta recursos na instituição para que ela continue desempenhando suas atividades. O valor que você recebe como retorno é uma espécie de taxa de juros.

Você tem como escolher CDBs com juros prefixados (ou seja, atrelados a uma taxa predeterminada), pós-fixados (que seguem algum índice do mercado) ou híbridos (que misturam os dois esquemas). Como você pode ver no nosso conteúdo sobre CDB, esse é um tipo de investimento que se destaca por sua simplicidade na hora da contratação. Além disso, costuma ser uma boa opção para quem preza pela segurança.

Tesouro direto

Se a segurança é sua prioridade máxima na hora de cuidar do seu dinheiro, você com certeza vai gostar de saber mais sobre o tesouro direto. A lógica aqui é parecida com a dos CDBs, de que acabamos de falar. Só que, nesse caso, quem emite os papéis que você compra é o governo, e não um banco. Portanto, ao investir, você está emprestando recursos à máquina pública e ela vai te devolver com juros.

É possível encontrar opções de investimento em Tesouro Direto com rentabilidade pré-fixada ou pós-fixada. Em geral, é possível investir nessa modalidade com valores a partir de R$ 30. Por sua estabilidade, o Tesouro Direto é uma excelente opção para quem deseja preservar patrimônio, isto é, manter um dinheiro guardado em segurança (como para uma reserva de emergência).

Fundo de Ações

Ter pouco dinheiro não é algo que limita suas opções de investimento aos produtos de renda fixa! Na verdade, também é possível usar esses valores para fazer aplicações em renda variável: você pode, por exemplo, desbravar o mundo das ações. No começo, a melhor opção é fazer isso por meio dos fundos de ações.

Os fundos são “coletivos” de investidores. É como um condomínio em que os cotistas aplicam seu dinheiro conjuntamente e as aplicações são administradas por um gestor profissional. É possível encontrar cotas bastante acessíveis em fundos de ações, e o retorno financeiro será sempre proporcional à quantidade de cotas que você tem. Portanto, a ideia é começar pequeno e ir reinvestindo os retornos obtidos para conseguir uma rentabilidade cada vez melhor.

Fundos imobiliários

Também parte da renda variável, os fundos imobiliários (FIIs) funcionam mais ou menos como os fundos de ações. A diferença é que, nesse caso, os recursos que os investidores reúnem são todos aplicados no mercado imobiliário. Portanto, é um dinheiro dedicado a construir ou comprar imóveis e propriedades. Esses espaços serão alugados ou arrendados no futuro, e é daí que vem o retorno que entra no bolso dos investidores.

Vale a pena pesquisar as opções de fundos imobiliários disponíveis para investimento: embora os preços das cotas possam variar bastante (afinal, estão expostas à volatilidade do mercado), você vai se deparar com alternativas que pedem investimentos mínimos na casa dos R$ 10.

Cuidados com investimentos com pouco dinheiro

É comum que o primeiro contato com o mundo dos investimentos gere alguma empolgação. Por isso, é importante saber adentrar nele com certo cuidado, afinal, é bem chato perder dinheiro quando já não se tem muito, não é mesmo?

Por isso, algumas precauções são necessárias: em primeiro lugar, pesquise bastante sobre o produto de investimento que te interessou. Conheça profundamente o funcionamento e as garantias dele e entenda como ele se comporta em relação à rentabilidade, segurança e liquidez. A garantia do Tesouro Direto, por exemplo, vem do próprio Tesouro Nacional, o que faz dessa alternativa muito segura. Opções de renda variável e fundos, por outro lado, não têm garantias.

Além disso, vale a pena tomar um cuidado redobrado na hora de escolher a instituição financeira que vai intermediar seus investimentos. Assim, você evita golpes ou acordos abusivos. Portanto, confira o histórico das instituições e consulte os dados disponíveis nos sites dos órgãos reguladores, como o Banco Central e o CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Nesses portais, você encontra listas de instituições financeiras devidamente autorizadas a trabalhar com aplicações. Procure também pelo Índice de Basileia, um indicador que mensura a saúde financeira de uma instituição (e, portanto, o risco que ela pode representar).

Conclusão

Ao contrário do que muitos pensam, investir não é algo que precisa envolver grandes quantidades de dinheiro. Aliás, pelo contrário, com as aplicações certas, é possível começar com quantias modestas e aumentar progressivamente os montantes investidos para obter retornos melhores.

Para ter sucesso nessa empreitada, entretanto, é importante estudar bastante sobre os conceitos essenciais da área, como renda fixa e variável e tripé do investimento. Além disso, antes de escolher as aplicações, é essencial que você conheça suas prioridades e objetivos e defina, a partir disso, o seu perfil de investidor. Por fim, pesquise bastante sobre as opções de aplicação que aceitam valores mínimos baixos: acredite, há alternativas que não exigem mais do que R$ 10,00!

E aí, já está pensando em como começar a investir seu dinheiro?

Se você gostou da leitura, temos uma boa notícia: aqui no Blog da Provu, você encontra uma ampla seleção de conteúdos tão informativos quanto o que você acabou de ler. Não deixe de acompanhar nossas postagens se quiser ficar por dentro dos tópicos mais relevantes sobre investimentos, finanças e mercado financeiro!

Escrito por: Pri da Provu

Meu nome é PRI, e eu sou a nova assistente virtual da Provu! Aqui no blog da Provu e nas nossas redes sociais eu vou falar dos mais variados assuntos, e através do WhatsApp, Chat do site e telefone da Provu, eu vou: 👉 Ajudar a baixar o boleto das parcelas do Provu Empréstimo e Provu Boleto Parcelado 👉 Dar suporte no refinanciamento do seu contrato do Provu Empréstimo 👉 Esclarecer tudo que você precisa saber sobre o Provu Empréstimo e Provu Boleto Parcelado 👉 Dar suporte em negociações; E muito mais! Quer me conhecer mais? Acesse o Blog da Provu. E se quiser bater um papo comigo, é só acessar nosso WhatsApp, chat do site ou telefone!

Comentários (5)
Usuário
Bruna Larissa Pereira Fernandes
28/02/2023

Foi ótimo

Usuário
Antônia Alves da Silva
18/02/2023

Quero participar

Fazer um comentário:

Prove realizar organização financeira!

Insira seu e-mail para receber as melhores dicas para o seu bolso:

Associações

abcd-logo

Prêmios

premio-cliente-sapremio-ra-1000

Selos

selo-empresa-neutra-de-carbono

Parceiros de Cobrança

kitei-logomhFlores-logoserasa-logo

A provu.com.br pertence à PROVU, CNPJ: 20.265.259/0001-71, com sede na Rua Pais Leme, 524 – Pinheiros, São Paulo – SP, Brasil – CEP: 05424-010.

A Provu não é uma instituição financeira, mas sim um prestador de serviços correspondente bancário nos termos do artigo 2º, da Resolução CMN nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011 atuando para as instituições financeiras: SOROCRED CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A – CNPJ: 04.814.563/0001-74 e PROVU SOCIEDADE DE CRÉDITO DIRETO S.A – CNPJ Nº 42.627.615/0001-92.

Informações gerais sobre as operações de crédito ofertadas: a taxa de juros para empréstimo pessoal varia de 4,45% a.m. (68,62% a.a.) até 11% a.m. (249,85% a.a.), e o CET (Custo Efetivo Total) pode variar de 4,79% a.m. (76,78% a.a.) até 11,37% a.m. (270,87% a.a.), dependendo da análise de crédito do cliente e do prazo de pagamento, que pode ser de 9, 12, 18, 24 ou 36 meses.

Exemplo: valor: R$ 9.000,00; prazo: 18 meses; taxa de juros: 4,45% a.m.; 68,62% a.a.; CET 75,53% a.a.; parcelas: R$ 757,37; IOF: R$ 206,42; valor total: R$ 13.632,57. Estes valores são exemplificativos e poderão variar de acordo com a política de crédito.